ATMA 
Quando uma professora de Língua Portuguesa apaixonada por filosofia resolve colocar em pauta os desafios e os prazeres da prática docente.                                                               "O mundo é minha representação." Arthur Schopenhauer  

ATMA

A pureza em Schopenhauer

Pessimista e mau humorado são as duas principais características atribuídas a Arthur Schopenhauer nas discussões filosóficas e meios acadêmicos.  Com uma escrita densa e ao mesmo tempo fluente, torna-se um dos pensadores mais complexos e brilhantes da filosofia. 

Em um momento de sua breve e triste vida,  permaneceu recluso, vivendo apenas com seus pensamentos e seu cachorro Atma, um poodle que tornou-se seu fiel e inseparável e talvez único amigo. 

O nome Atma significa "Alma do Mundo" e representa o momento que a alma de Arthur corresponde ao amor e compaixão. 

Se vamos falar de educação e a prática docente, a alma deve ser leve sem neuras e sem desleixo. Ser professor é para corajosos, pois sempre na escuridão e na fúria existe luz e leveza. 

Há esperança! Pois o mundo é nossa representação!

A solidão tecnológica


A cada dia torna-se impossível pensar na juventude sem a presença das tecnologias e conteúdos digitais e os perigos contidos nesta situação, pois neste mundo a rapidez de informações e a praticidade na distancia de em um "click" camuflam a solidão e a tristeza contidas nas falsas identidades e felicidades compartilhadas nas redes sociais.

A depressão na adolescência já é um fato constatado e debatido com frequência entre os psicólogos e educadores formando uma rede de conexões que facilitam a descoberta precoce e evitam casos de mutilações e suicídios. O professor deve estar atento aos comportamentos dos discentes uma vez que é no ambiente escolar que as relações sociais e troca de experiências ocorrem com maior intensidade.

Quando a realidade desmotiva e entristece o jovem aluno, ele se esconde atrás dos "likes" e "emotions" das mídias sociais e isola-se do contato real e não enxerga com clareza suas emoções e considera normal sua solidão e que estão perdendo a si mesmos. De acordo com Santos & Nacarati (2016), observamos que as pessoas estão cada vez se evitando, e consequentemente, perdendo total referencia de si mesma, de seus gostos preferências, sonhos, senso crítico, e outras séries de conteúdos que propiciam uma evolução humana.

Com esta realidade, os docentes devem criar práticas e metodologias que promovam a conscientização do uso saudável das redes sociais e a reflexão de que a depressão e o suicido são assuntos a serem tratados com maior frequência no ambiente escolar. Não é preciso medo para criar diálogos sobre temas considerados "tabus", se não há conhecimento necessita-se de maior preparo por parte dos professores e maior flexibilidade da equipe gestora na promoção de espaços para debates.

Vive o mito de que falar sobre determinados assuntos aumentam os riscos e promovem os incentivos, isto é errôneo já que é na educação e por meio da educação que certas barreiras ideológicas serão quebradas e os índices verdadeiramente irão mudar. Não é preciso banir as tecnologias da vida dos jovens e adolescentes, basta pensar, diagnosticar e proporcionar projetos que realmente saiam do papel e mudem a realidade. O mundo é evolução e a tecnologia por muitas vezes é o meio, é neste momento que a docência deve sofrer rupturas e deixar a comodidade e conservadorismo para desanimadores, aos sonhadores cabe à realidade, controverso, porém vital. É através da contestação e contato com os dados e dialogo direto por meio das aulas que será possíveis mudanças, por vezes singela, mas notável.